Porto Alegre / RS(51) 3346.9281[email protected]3ª, 4ª e 5ª - Com horário agendado.

Cavalos – Vida e morte – parte II

Post 45 of 71

Cavalos: vida e morte repletas de sofrimentos (parte II –

Produção de Premarin)

Paula Brügger

 

Na edição anterior terminei o texto me referindo à crueldade subjacente ao confinamento de éguas prenhes para produzir o Premarin, “uma droga usada em terapias de reposição hormonal que movimenta algo em torno de US$800.000.000/ano. Há cerca de 450 fazendas no Canadá e 50 nos EUA, onde aproximadamente 60.000 éguas são usadas na produção da droga. Nessas fazendas, as éguas são engravidadas e cateterizadas [1] para que não se perca nada da sua preciosa e lucrativa urina. As futuras mamães são forçadas a ficar de pé sobre um piso de concreto em baias minúsculas  (de cerca de 2,44m x 1,07m) durante os 11 meses de gravidez. A largura das baias impede até simples movimentos como virar-se ou deitar-se direito e, por mais da metade do ano, as éguas ficam impossibilitadas de dar mais de 2 passos em qualquer direção. Após o nascimento dos potrinhos, permite-se que as éguas pastem junto a eles por um curto período. Durante essa fase, elas são re-engravidadas, separadas de seus bebês e recolocadas na linha de produção. Como os bezerros que são tirados de suas mães-vacas, para serem criados como vitelas, os potrinhos também são um “sub-produto”. Alguns são mortos imediatamente ao nascerem, outros mantidos para substituírem as éguas exaustas e para expandir a produção. A maioria é vendida aos 4 meses de idade, aproximadamente. São enviados para engorda e depois abatidos. Fazendeiros que arrendaram suas éguas, relataram que elas retornaram aleijadas e com a saúde comprometida. E um ex-funcionário de uma fazenda em Manitoba, Canadá, documentou, inclusive, diversas mortes. Além disso, os problemas com o processo de fabricação, especialmente o tratamento dado aos resíduos com “cheiro de potro” do produto, preocupam ambientalistas e legisladores canadenses. A expansão proposta nas instalações de produção ameaça assoberbar um sistema de tratamento de esgoto já sobrecarregado, além de sérias conseqüências para o rio Assinboine  (fonte de água potável para a população de Manitoba). Como se isso não bastasse, a terapia com o hormônio apresenta riscos à saúde” (adaptado e resumido de

http://br.geocities.com/animaissos/premarin.html;http://www.habitatforhorses.org/joincampaigns/premarinpolitics.html.

Um estudo parcialmente financiado pelo grupo Wyeth-Ayrest  (fabricantes do Premarin) e a American Cancer Society  revelou que  mulheres que fizeram a reposição hormonal durante 5 anos, ou menos, tinham uma chance  80% maior de contrair câncer de mama do que aquelas que não haviam tomado a medicação. Os pesquisadores estudaram 37.000 mulheres durante 11 anos (http://suewidemark.netfirms.com/bc1999.htm). Também a Dra. Joan Borysenko, destaca que “o Premarin contém 17 tipos  diferentes de estrógeno, a maioria dos quais inimiga dos seres humanos”. O Premarin é o único medicamento para reposição hormonal que usa urina de éguas grávidas. A venda dessa droga perigosa se mantém graças à falta de informação e porque existe uma indústria que lucra milhões com a sua produção (http://prod.midiaindependente.org/en/blue/2003/08/260206.shtml [2]. É incrível constatar como a saúde humana está interconectada com a saúde do restante da biosfera. Existe hoje uma gama de opções para reposição hormonal que inclui tanto os fitoestrógenos (derivados da soja e de  plantas menos conhecidas como Trifolium pratense; Cimicifuga racemosa;  Angelica sinensis), quanto os alimentos funcionais ou nutracêuticos [3]. Recomendo que o leitor visite, entre outros,  os sites sugeridos no final deste artigo. É preciso, finalmente, repensar a questão da “chegada da idade” a partir de uma perspectiva mais ampla, tanto no plano ético, quanto estético. Alguns valores estão tão deteriorados em nossa cultura que se chega ao absurdo de ouvir profissionais da saúde se referirem à velhice como uma doença e não como parte de um processo natural, intrínseco à nossa passagem pelo planeta. Essa est(ética), apesar de equivocada, tem respaldado uma busca frenética pela eterna juventude, a qualquer preço, e faz com que muitos de nós nos tornemos um mero arremedo – caricaturas – do que fomos há 20 ou 30 anos atrás. Saúde e beleza andam juntas e existe uma grande diferença entre procurar aprimorar a saúde e a aparência física e ser escravo de expedientes ética e esteticamente questionáveis. Informação e “bom senso” estão na base de um equilíbrio saudável. Nota 1: A cateterização é o processo de inserção de um cateter, ou seja, um ducto ou vaso, em uma cavidade corpórea natural, ou em uma cavidade cística ou de abscesso, que possibilita a drenagem ou injeção de fluidos ou o acesso a instrumentos cirúrgicos; em português utiliza-se mais o termo “sonda” quando o cateter é introduzido por um orifício corpóreo natural (Wikipédia).

Nota 2: O site indica um vídeo que mostra como funciona a “máfia” do Premarin; os responsáveis pela investigação foram agredidos, diante das câmeras, ao tentarem filmar um leilão de éguas para matadouros.

Nota 3: Alimentos funcionais são os que apresentam um papel metabólico ou fisiológico no crescimento, desenvolvimento e outras funções do organismo

humano.
http://www.hub.unb.br/pesquisa/farmaciafitoativos_061006.htm;
http://www2.uol.com.br/menospausa/ervas1a.htm

Paula Brügger é professora do Deptº de Ecologia e Zoologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC),

[email protected]

Menu